Artigo

Wealth Management - A proteção que seu patrimônio precisa

10 de Agosto de 2018 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Diogo Carvalho, consultor financeiro no Grupo Creative

A instabilidade e a morosidade jurídicas no Brasil fazem surgir a necessidade de criar mecanismos legais de proteção patrimonial. Este fato fica evidente pelos processos de inventário que levam anos tramitando nas instâncias judiciais. O patrimônio formado por décadas com o objetivo de prover uma qualidade de vida para futura gerações acaba se transformando em um grande transtorno emocional para a família, além de custas processuais e perdas por depreciação do patrimônio e subalocação dos ativos financeiros.

Esta necessidade de proteção é atendida por um setor pouco divulgado no Brasil: o Wealth Management, Gestão de Patrimônio, em português. Sob este guarda-chuva de proteção podemos ter a criação de holdings patrimoniais aqui ou sob legislações anglo-saxônicas. O objetivo é organizar o patrimônio construído ao longo da vida, aliando proteção dos herdeiros e eficiência fiscal, no tangente a custos mais baixos na sucessão dos bens.

Há sob este guarda-chuva importante ferramenta de proteção patrimonial: a internacionalização dos investimentos. Assim como grandes empresas e multinacionais fazem, é viável - e estratégico - num mercado globalizado ter uma parte dos investimentos diversificados em países e moedas. A vantagem é que parte do patrimônio permanece em legislações sólidas e eficazes, contando com segurança e estabilidade política e econômica. É possível investir diretamente em papéis de empresas com demanda global ou em fundos de investimentos que replicam índices de bolsas asiáticas, europeias e norte-americanas. O brasileiro precisa deixar de ser somente um consumidor de grandes marcas e passar a ser um investidor e fazer parte de seus lucros. Já pensou poder investir na Apple? A empresa foi a primeira da bolsa norte-americana a valer mais que um trilhão de dólares!

Os dados do Banco Central do Brasil, através do Censo de Capitais Brasileiros no Exterior no final do ano de 2017, mostram a crescente participação dos brasileiros em investimentos no exterior direta e indiretamente, tanto no mercado financeiro como o imobiliário. A própria autoridade monetária vê esse movimento positivo e em consonância com o comportamento de investidores de países desenvolvidos que culturalmente mantém parte de suas reservas financeiras internacionalizada como forma de proteção e apreciação de capital.

O valor total chega a quase 500 bilhões de dólares. Isto representa 25% do Produto Interno Bruto do país, ainda abaixo dos patamares de investidores de países desenvolvidos, mas já representativo para o Brasil. E vem apresentando uma tendência de crescimento, o que sinaliza o interesse do brasileiro por cuidar dos seus investimentos, além de qualificar e usufruir com tranquilidade o que conquistou ao longo da vida.

Então, tão importante quanto construir um patrimônio é preservá-lo, protegê-lo. Atualmente está muito mais acessível ter acesso a essas ferramentas do que no passado, onde era restrita às grandes fortunas. A internacionalização já é realidade no turismo, nos serviços e no consumo, agora precisa estar presente também nos investimentos. Procurar um profissional qualificado é o primeiro passo para ter o assessoramento necessário na gestão patrimonial.

 


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados